“DOC. malcriadas”, peça dirigida por Lee Taylor, estreia em 21 de fevereiro no Teatro João Caetano

SOBRE O EVENTO

Início: 27/03/2020 21:00
Fim: 19/04/2020 19:00
Onde: Teatro João Caetano Rua Borges Lagoa, 650 - Vila Clementino São Paulo - SP

O espetáculo ‘DOC. malcriadas’, concebido e dirigido por Lee Taylor, estreia curta temporada de 6 apresentações em 21 de fevereiro, sexta-feira, no Teatro João Caetano e segue em cartaz no Centro Cultural Olido para mais 12 apresentações, totalizando neste semestre 18 sessões nos dois espaços.

A peça integra o projeto “Antologia Documental” e é resultado do curso de atuação teatral oferecido gratuitamente pelo Núcleo de Artes Cênicas (NAC) em 2019.

O experimento cênico ‘DOC. malcriadas’ foi criado a partir de uma pesquisa documental e faz parte da proposta artístico-pedagógica vivenciada no curso de atuação oferecido gratuitamente pelo Núcleo de Artes Cênicas (NAC) em 2019, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

A motivação inicial foi pesquisar os valores morais que fundamentam o que se chama de "família tradicional brasileira". Depois de mais de cem entrevistas realizadas por vinte atores e atrizes com membros de diversas famílias, escolhemos um recorte que oferece um olhar privilegiado para problematizar a família tradicional, por estar sempre presente e não fazer parte e por ser essencial e ao mesmo tempo substituível: as empregadas domésticas.

Na segunda etapa da pesquisa, foram mais de cinquenta entrevistas realizadas por nove atrizes com empregadas domésticas, faxineiras e diaristas que trabalham na cidade de São Paulo. A seleção dos relatos colhidos nas entrevistas foram o ponto de partida para quatro meses de investigação dramatúrgica e experimentação cênica, por meio de um processo colaborativo, que resultou na obra concebida e dirigida por Lee Taylor.

O experimento cênico ‘DOC. malcriadas’ faz parte do projeto Antologia Documental, proposta artístico-pedagógica do NAC, que reúne obras teatrais baseadas em relatos colhidos a partir de entrevistas realizadas pelo próprio elenco.

 

Sinopse:

Um estranho dia de faxina em que empregadas domésticas paralisaram sua rotina de serviço na casa de uma família tradicional brasileira. A obra poética-documental, concebida a partir do encontro das atrizes com domésticas que atuam na cidade de São Paulo, expõe testemunhos que revelam comportamentos profundamente enraizados em nossa sociedade pós-escravista e que se refletem em desigualdade social no país.

 

Ficha técnica:

Com: Núcleo de Artes Cênicas (NAC)
Coordenação, concepção e direção: Lee Taylor

Diretor assistente: Hercules Morais
Assistência de direção: Federico Törres
Elenco: Alexia Rosa, Bia Barbosa, Gabriela Moreno, Giovanna Pantaleão, Larissa Morais, Mirielen Dollvik, Patrícia Pacheco.

Artistas-pedagogos: Lee Taylor, Hercules Morais, Gisele dos Reis

Iluminação: Fran Barros

Direção de Arte: Eric Lenate e Lee Taylor
Fotos: Marcelo Villas Boas

Teaser: Ludmila Daher / Marcelo Villas Boas

Assessoria de imprensa: Ofício das Letras - Adriana Monteiro

 

Serviço:

 

“DOC. malcriadas”

Teatro João Caetano

Rua Borges Lagoa, 650 - Vila Clementino São Paulo - SP

 

De 21 de fevereiro a 1 de março de 2020

Sextas e sábados, 21h e domingos, 19h

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 90 min.

Entrada Gratuita

Capacidade I 438 pessoas

 

Centro Cultural Olido

Av. São João, 473 - Centro Histórico São Paulo - SP

 

De 27 de março a 19 de abril de 2020

Sextas e sábados, 20h e domingos, 19h

Duração: 90 min.

Entrada Gratuita

Sala Olido | Capacidade: 297 lugares

 

www.facebook.com/docmalcriadas

www.instagram.com/nucleodeartescenicas

 

Núcleo de Artes Cênicas (NAC):

O Núcleo de Artes Cênicas (NAC) é um espaço de investigação das Artes Cênicas, que oferece gratuitamente um curso anual de atuação teatral tendo em vista questionamentos de paradigmas tanto da linguagem cênica quanto das práticas humanas do nosso tempo.

O NAC é coordenado por Lee Taylor, mestre em Pedagogia do Teatro - ­Formação do Artista Teatral junto ao Programa de Pós ­Graduação em Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (PPGAC/ECA/USP), que possui vasta experiência prática em aulas de atuação ministradas no Centro de Pesquisa Teatral do Sesc (CPT), de 2005 a 2013, e como docente do Departamento de Artes Cênicas, Educação e Fundamentos da Comunicação do Instituto de Artes da Unesp, no ano de 2015.

O NAC foi criado em 15 de abril de 2013 e desde a sua inauguração tem estabelecido parcerias com diferentes instituições, que apoiam e abrigam suas atividades. Desde 2018, o NAC tem parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e, a partir de 2020, ocupará o Teatro João Caetano, um dos mais importantes equipamentos culturais de São Paulo.

Com relação a sua produção artística, em 2013, o NAC realizou o espetáculo de dança site specific "Holoch", com a dançarina de butô e performer Emilie Sugai (trabalho contemplado pela Cooperativa Paulista de Dança com o prêmio de Melhor Criação em Dança Solo), e a performance "Hanã: no mais profundo dos abismos", livremente inspirada na obra "O Dibuk" de Sch. An­ski. No ano de 2014, estreou o primeiro espetáculo teatral resultado do processo artístico-­pedagógico proposto na primeira edição do curso de atuação, "LILITH S.A." Os espetáculos "DOC. (des)prezados" (2015), "DOC. educação" (2015), "DOC. eremitas" (2017) e "DOC. A.A.A.” (2018) são resultantes das edições seguintes do curso e fazem parte do projeto Antologia documental, proposta artístico-pedagógica do NAC que reúne obras teatrais baseadas em relatos colhidos a partir de entrevistas realizadas pelo próprio elenco.

O NAC tem despertado grande interesse na comunidade teatral de todo o Brasil. Brasil. Na primeira edição do curso, em 2013, foram 466 inscritos, em 2014, 495 inscritos, em 2015, 483 inscritos, em 2016, 540 inscritos, em 2107, 660 inscritos, em 2018, 719 inscritos e, em 2019, 826 inscritos.

 

Sobre Lee Taylor

Ator, diretor, pesquisador teatral, idealizador e coordenador artístico-pedagógico do Núcleo de Artes Cênicas (NAC). Bacharel em Artes Cênicas com habilitação em Interpretação Teatral pelo Departamento de Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (CAC/ECA/USP) e mestre em Pedagogia do Teatro - Formação do Artista Teatral junto ao Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (PPGAC/ECA/USP).

De 2004 a 2013 integrou como ator e professor de atuação o Centro de Pesquisa Teatral do Sesc (CPT), coordenado por Antunes Filho. Sua estreia profissional foi em 2006, como protagonista de "A Pedra do Reino" de Ariano Suassuna. Por esse trabalho recebeu a homenagem de Destaque Cultural do Ano do Governo do Estado de Goiás. Em 2008, atuou em "Senhora dos Afogados" de Nelson Rodrigues. No mesmo ano estreou "Foi Carmen", um espetáculo sobre Carmen Miranda, inspirado no butô do dançarino japonês Kazuo Ohno. Em 2009, atuou em "A Falecida Vapt-Vupt" de Nelson Rodrigues. Em 2010, protagonizou o espetáculo "Policarpo Quaresma", baseado no livro "Triste Fim de Policarpo Quaresma" de Lima Barreto. Todos esses trabalhos foram dirigidos por Antunes Filho. No cinema, em 2009, participou do elenco de "Salve Geral" de Sérgio Rezende e, em 2011, de "Estamos Juntos" de Toni Venturi. Em 2012, participou do curta documentário "O Ser Transparente" de Laís Bodanzky, com Cássia Kiss e Yoshi Oida. Em 2013, estreou nos filmes: "Riocorrente" de Paulo Sacramento e "Entre Nós" de Paulo Morelli.

Em 2015, participou das séries "Psi", segunda temporada, e "O Hipnotizador" da HBO, além de ter sido convidado pelo diretor Luiz Fernando Carvalho para atuar na novela da Rede Globo "Velho Chico", de Benedito Ruy Barbosa. Pela atuação em "Velho Chico" conquistou os prêmios: Troféu Nelson Rodrigues, Prêmio Extra de Televisão (Revelação masculina), Prêmio F5 (Revelação do ano), entre outros. Em março de 2016, estreou como protagonista do espetáculo "Na Selva das Cidades", de Bertolt Brecht, direção de Cibele Forjaz, com a mundana companhia. Também em 2016, participou do filme "Unicórnio" de Eduardo Nunes. Em 2017, foi protagonista do longa "Paraíso Perdido", de Monique Gardenberg e atuou na série "O Mecanismo" da Netflix, direção de José Padilha. Em 2018, fez parte do elenco da super série da Rede Globo "Onde Nascem os Fortes", de José Luiz Villamarim. Em 2019, participou da segunda temporada de O Mecanismo, da novela da Rede Globo, "A Dona do Pedaço", direção de Amora Mautner, e da série da Netflix, "Irmandade", direção de Pedro Morelli.

 

MAPA

Clique para habilitar o mapa
Teatro João Caetano Rua Borges Lagoa, 650 - Vila Clementino São Paulo - SP